top of page

América do Sul e Brasil no Contexto da Geopolítica Regional e Mundial



Países da América do Sul, e o Brasil em seu interior, atravessam um quadro de uma forte ofensiva da extrema-direita, aparentemente com movimentos que se casam com o agravamento das tensões internacionais, geopolíticas e geoeconômicas que afetam Eurásia, Sudeste Asiático e Oriente Médio.


Vários países sul-americanos sofrem situações de desestabilização, alguns por processos eleitorais, como são os casos de Argentina e Equador, outros pelos embates políticos internos em processo pré-eleitoral, como a Venezuela, outros ainda por movimentos golpistas internos, como é o caso da Bolívia, etc.


No Brasil, há os movimentos de desestabilização do governo Lula, que têm tomado várias dimensões. Ao mesmo tempo, há a postura de Milei, que não vai à reunião do Mercosul para ir a um encontro internacional da extrema-direita em Santa-Catarina, etc.


Nesse mesmo quadro, aparentemente desconexo, ocorrem movimentações da Quarta Frota americana nas águas do Atlântico Sul, enquanto a General-Comandante do Comando Sul se dá ao direito de se pronunciar sobre as políticas externas de países da Região, mostrando incômodos americanos quanto à relação comercial de vários dos países regionais com a China.


Como entender essa situação de múltiplos movimentos, aparentemente distintos e desconexos no âmbito da geopolítica e dos movimentos políticos internos a cada país da região? O que têm de lógica comum? Como o quadro brasileiro de movimentos de desestabilização do Governo Lula se relaciona com esses movimentos gerais? Que papel desempenha Estados Unidos nesse processo?


Para buscarmos elementos de melhor conhecimento desse panorama, contaremos com as contribuições de:


Roberto Goulart Menezes, Professor Associado IV e Vice-Diretor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), onde coordena o Grupo de Reflexão G20 no Brasil, pesquisador do Instituto Nacional de Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU/CNPq/FAPESP)


Sebastião Carlos Velasco e Cruz, Professor Titular do Departamento de Ciência Política da Unicamp e do Programa San Tiago Dantas de Pós-Graduação em Relações Internacionais, UNESP/UNICAMP/PUC-SP. Foi presidente do Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (CEDEC), é vice-coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU)


Comments


bottom of page